Ocorreu um erro neste gadget

domingo, abril 17, 2011


Entrevista com Willian Nascimento

Comments
Oi gente, como estão?

Venho apresentar para vocês hoje o autor Willian Nascimento, que me atendeu ao meu pedido de entrevista super rápido, e fiquei super agradecida. Ele é autor da série O Véu, que é ótimo por sinal.
Para vocês conferirem, aqui tem o skoob e o blog dele que é ótimo!!
Espero que gostem da entrevista...


Willian, para começarmos fale um pouco sobre você, hobbies, o que gosta de fazer?
Saudações. Além de escritor de fantasia contemporânea, também sou graduando em História na Universidade Federal do Rio de Janeiro e gerencio o Blog Por Detrás do Véu, onde gosto de discutir literatura, fantasia e História. Dentre meus Hobbies favoritos estão a leitura, a escrita e a apreciação de um bom filme. Além, é claro, de uma boa partida de RPG.


Conte-nos um fato engraçado que aconteceu contigo.
Engraçado? Bem, isso é relativo. Pois é aconteceram coisas muito engraçadas nessa última semana, mas acho que não será cômica para vocês, visto que não estavam presentes no contexto. Mas algo bem legal foi nessa reta final de páscoa, tentar comprar alguns chocolates que tiveram que ficar para o final. As lojas, como todos devem saber, estão um verdadeiro caos, com gente alucinada e gulosa - onde eu me incluo - andando e esbarrando nas pessoas por todos os lados, tocando e amassando os ovos na vã tentativa de garantir o seu. Aconteceu que estava eu, já na última loja do shopping perto da minha casa onde vendiam chocolates atrás de um para me presentear (isso mesmo, eu ia me dar o ovo de páscoa. Afinal, já tinha comprado para todos, então eu tinha o direito de comprar um para mim mesmo), quando finalmente o encontrei. Era o único visível que havia sobrado na loja e eu já estava cansado e queria voltar para a casa. Bem, me aproximei dele e fui pegá-lo, quando que por uma questão de segundos vi meu ovo ser levado para longe de mim pela mão de uma senhora que passava rapidamente. Ela sequer havia me visto e eu fiquei ali, parado com a mão estendida no nada, basicamente entre a vontade de tomar o ovo da mão da mulher e chorar de desapontamento. Acho que eu estava com uma cara de criança desolada, pois em questão de segundos passou uma outra mulher, um pouco mais jovem e me estendeu um ovo igual.
-Toma-ela disse- Meu filho disse que não gosta deste.
Sem dizer nada, eu segurei devagar e delicadamente o chocolate estendido. Parecia uma cena dramática, onde a bondosa madame oferecia comida ao desabrigado. Agradeci, não conseguindo resistir a vontade de rir. Ela também riu e comentou que tinha visto minha cara de desolação e ficou com pena de mim. Não gosto de expressar pena nos outros, mas confesso que não estava em condições de me fazer de orgulhoso  ou benevolente. Como chocólatra incurável, aceitei o ovo depois de garantir que o filho da senhora não sentiria falta e fui para casa.
Não sei se foi realmente engraçado, mas fiquei o dia inteiro rindo da cara da mulher e imaginado que tipo de expressão eu tinha no rosto para conseguir despertar tanta comoção nela.


Quando surgiu a vontade de ser escritor?
A vontade de escrever veio quase que como forma de suprir a ausência de fantasia que o fim das partidas de RPG com meus amigos promoveu. Eu era um dos narradores e por isso vivia criando histórias. Então, sem poder narrar aventuras, acabei acumulando enredos e personagens em minha cabeça que só puderam ganhar vida através da escrita.


Nas composições de seus personagens, você se inspira em pessoas de seu convívio?
Um pouco. Normalmente gosto de pegar várias características, tanto de pessoas que conheço quanto de personagens fictícios, e misturá-las para produzir um ser novo. Assim, cada personagem meu é uma organização multifacetada de pessoas, reais ou não, que de alguma forma marcaram minha vida.


O Véu será publicado em 30 de Maio, teve alguma dificuldade para encontrar editora para a publicação do livro?
Foi até bom você tocar no assunto, pois aproveito assim o espaço para fazer uma pequena correção: O dia 30 de maio era uma previsão feita "por alto" para o lançamento de O Véu, contudo, com alguns problemas pelos quais a editora Arielli está passando, esta data teve de ser adiada. Acredito que ainda este ano tenhamos a data definitiva, mas por enquanto, a obra continua sem publicação.
E, agora sim, respondendo a sua pergunta: lancei o Véu em Formato digital por reconhecer suas limitações para ser publicado, visto que além de eu ser um autor iniciante, seu preço em uma pequena tiragem ficaria muito grande devido ao seu volume. Com isso, não investi muito em encontrar editoras para a publicação de O Véu, preferindo divulgá-lo na rede de forma a firmar o meu nome. Mas o engraçado foi como essa minha estratégia acabou por atrair algumas propostas de publicação, mas que não me agradaram até a Nessie vir e me apresentar a proposta da Arielli. Agora é questão de aguardar.

De onde veio a inspiração para escrever O Véu? Quanto tempo aproximadamente demorou para ficar pronto?
O Véu foi um mundo criado para servir de base uma grande aventura de RPG. Ele foi concebido pouco antes de suspendermos as atividades do grupo, mas a história jamais abandonou a minha cabeça. Aos poucos ela foi ganhando vida própria e o enredo quase que sendo feito sozinho, até que eu finalmente fui capaz de escrevê-lo.


Tem outros projetos envolvendo outro livro? Se sim pode nos contar um pouco.
Alguns, que só estão aguardando as férias da faculdade para eu poder me dedicar a eles. O primeiro projeto seria um "volume 0" de O Véu, onde eu contaria a história de Ian, antes de conhecer Ana. Seu título provisório é "Despertar". No outro projeto, pretendo em uma trilogia explorar um pouco a temática angelical tão em voga nesse ano de 2011. Uma trilogia chamada "O Salto", onde quero trabalhar tanto romance e fantasia, quanto mistérios e intrigas. Todos em cenário contemporâneo.


Willian, finalizando gostaria de agradecer muitíssimo a entrevista e deixo este espaço para deixar um recado para os leitores.
Bem, sou eu quem devo agradecer ao espaço que me foi fornecido no Batalha Literária. Fico muito feliz que tenham tantos sites engajados na tarefa de promovera literatura nacional, que ainda se encontra muito eclipsada pela produção estrangeira mas que começa a mostrar que tem potencial para produzir boas histórias e proporcionar bons momentos para seus leitores.
Agradeço muitíssimo à Lis pela oportunidade e desejo que todos os leitores excelentes momentos de intensa fantasia.
Abraços


/
Related Posts with Thumbnails
 

Design by / Thema base